quarta-feira, 3 de abril de 2013

Jorge Barreto Xavier, o Ilusionista


Jorge Barreto Xavier, o Ilusionista

Lembram-se do Mandrake?
Pois o famoso mágico, criado por Lee Falk nos anos 30, dizia que é muito fácil criar um número de magia: Basta prender a atenção e causar uma distração.
Por isso esqueçam o Mandrake porque chegou Jorge Barreto Xavier, O Ilusionista.

Durante meses, a PLATEIA denunciou não só as flagrantes violações da lei, incentivadas pelo Secretário de Estado da Cultura do Governo de Pedro Passos Coelho, mas também o desinvestimento brutal (75%) no apoio direto à criação artística.

E no último momento, eis que Xavier, fazendo inveja a Mandrake, tira da cartola verbas que não se sabia existirem, alterando, mais uma vez, as regras do jogo sem qualquer aviso. E o nosso mágico anuncia-se a si próprio como o salvador da pátria, por aumentar o número de Companhias de Teatro apoiadas (pluri)anualmente.

Oh! Obrigado Xavier (aplausos efusivos)!
Que grande número este!
Como é que fizeste isto? (burburinho geral)

Mas espera aí...agora que estamos pensar melhor, isto não faz sentido.
Então o concurso não era (pluri)anual?
Era, pois era?
Portanto o concurso devia financiar Estruturas de criação/programação que funcionam de Janeiro a Dezembro, assumindo custos sociais e cumprindo a legislação laboral.
Mas não é isso que o concurso faz, pois não?
Não, porque o aumento de Companhias apoiadas traduz sobretudo uma atomização dos recursos.
O que o Secretário de Estado da Cultura desenhou foi uma divisão de recursos que está claramente para lá de tudo o que, de boa fé, se poderia aceitar num concurso (pluri)anual.
Na verdade, um número significativo destes alegados apoios (pluri)anuais não passa de um financiamento pontual que não permite um trabalho regular e o cumprimento da legislação laboral em vigor para o setor.
O que o Secretário de Estado da Cultura faz, na gestão da sua carreira pessoal, é abrir a porta à desregulação das relações laborais e ao incumprimento da lei.
Que grande mentira. Perdão, que grande ilusão.

Foi muito bom.
Estávamos distraídos e nem percebemos como tinha sido feito.
O Jorge Barreto Xavier é mesmo um grande ilusionista.
E olhem que só não chega a Ministro porque a Cultura já não tem Ministério.
Mas se calhar o nosso Secretário de Estado ilusionista ainda nos vai convencer disso.

Abracadabra para ti também Xavier!

Sem comentários:

Enviar um comentário