domingo, 11 de dezembro de 2016

Governo não muda nada para ficar tudo pior

A menos de um mês do final do ano de 2016, a Direção-Geral das Artes vem avisar que os concursos plurianuais de apoios às artes – relativos a 2017-2020 - não se irão realizar, alegadamente por estar em preparação um novo modelo de Apoio às Artes.

Deste modo, serão replicados em 2017 os valores atribuídos em 2016, fazendo estagnar o panorama artístico português, não reforçando as verbas anteriores, não repondo os cortes do governo PSD/PP, deixando projetos e entidades artísticas de portas fechadas, e tornando inútil o complexo sistema de avaliação da execução dos apoios, implementado pela própria DGArtes.

Anuncia-se ainda um novo modelo de Apoio às Artes a começar a funcionar daqui a um ano, modelo em relação ao qual não existiu, desde a tomada de posse do governo, qualquer informação oficial, nem qualquer consulta aos agentes do setor.

Deste modo, o Governo atual, que anunciava a cultura, ciência e educação como prioridades, parece não se querer distinguir dos procedimentos do governo anterior, mantendo os valores de apoio, não inscrevendo de modo plurianual o Apoio às Artes, nem no Orçamento de Estado de 2017 nem no Orçamento de Estado de 2017, não conseguindo abrir os concursos previstos na lei, e parecendo, até agora, dedicar ao diálogo com os agentes do setor o mesmo interesse que dedicava aquele outro governo que nem Ministério da Cultura tinha.

Gostaríamos de reformular, para o executivo de António Costa, um aforismo famoso, constatando que à mulher de César não adianta parecê-lo: também é preciso fazê-lo.

Sem comentários:

Enviar um comentário